postheadericon O caminho da vitória, em um mundo cheio de atalhos para a derrota!


TEXTO: Hebreus 12. 1 – 3.
Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas, desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta, 2. olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à destra do trono de Deus. 3. Considerai, pois, atentamente, aquele que suportou tamanha oposição dos pecadores contra si mesmo, para que não vos fatigueis, desmaiando em vossa alma.

INTRODUÇÃO:
Um dos panos de fundo deste texto é o ambiente olímpico, esportivo, da modalidade de atletismo, da maratona, um tipo de corrida de longa distância que preza pela resistência do atleta, sendo ela a última das disputas dos jogos olímpicos.
Sabemos que todo o atleta visa à vitória, almejando alcançar algo que pouquíssimos atletas conseguem em toda a história, que é estar no lugar mais alto do Pódio.
Alguns para alcançar esse lugar, tentam burlar a regra do jogo, usando de atalhos, de artimanhas que podem até levar a uma glória momentânea, mas que desmorona e desmoraliza em algum momento da história.
Os atalhos para o fracasso são fartos nas margens do caminho para a vitória, também é sedutores, como nos alerta o escritor de Hebreus: “pecado que tenazmente nos assedia”.
Como podemos nos livrar destes atalhos? Como podemos rumar pelos trilhos da vitória? É sobre isso que trataremos neste momento:
Para trilhar o caminho da vitória é preciso:
1º) DESCOMPLICAR PARA AVANÇAR.
"livremo-nos de tudo o que nos atrapalha e do pecado que nos envolve”. (v.1b – NTLH)
Na maratona sabemos que o atleta é exigido ao extremo, e que por isso alguns cuidados devem ser tomados quanto à preparação para cada prova. Sabemos também que há um rigor quanto ao doping, quanto às regras e assim por diante.
Porém, ao observamos as regras do atletismo, não vemos nenhuma restrição quanto ao peso, quanto a adereços, sobressalências, excessos, pesos extras, ou seja, se um atleta quiser correr uma maratona puxando uma mala sem alça, ele pode; com um pochete, ele pode; e assim por diante.
Mas como sabemos, não é isso que ocorre, pelo contrário, pois a cada dia que passa, as empresas de materiais esportivos produzem roupas e calçados de alta tecnologia, com baixíssimo peso e atrito, visando sempre facilitar a vida do atleta, e também aumentar ao máximo o seu rendimento.
Ou seja, menos peso, menos atritos, maior resultado com menor esforço!
Sabendo disso, porque não fazemos o mesmo na nossa vida espiritual? Porque não diminuímos nossos pesos, nossos atritos para rendermos muito mais diante de Deus, e também diante dos homens?
Se temos como objetivo uma vida vitoriosa, precisamos descomplicar a vida para avançarmos diante dos obstáculos, diante das lutas e maratonas que nos são impostas.
A vida, por seu rumo natural, nos reserva muitos obstáculos (culpa, compulsão pelo trabalho, problemas de relacionamento, traumas do passado, perfeccionismo, ódio, ira, mágoas, necessidade de controlar os outros, insegurança, etc.), e é saudável nos livramos de cada uma delas.
O primeiro passo a ser dado para uma vida vitoriosa é DESCOMPLICA PARA AVANÇAR, a vida já tem seus obstáculos, então, gaste sua energia para desembaraça-los, livrar-se deles, e não para aumenta-los na sua jornada.
Vale lembrar as orientações do SENHOR Jesus quanto aos pesos que carregamos: “Vinde a mim, todos os que estais cansados e sobrecarregados, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo e aprendei de mim, porque sou manso e humilde de coração; e achareis descanso para a vossa alma. Porque o meu jugo é suave, e o meu fardo é leve.” (Mt. 11.28 – 30).
Para trilhar o caminho da vitória é preciso:
2º) RESISTÊNCIA PARA AVANÇAR.
“e corramos com perseverança a corrida que nos é proposta”. (V.1c – NTLH)
Outro ponto forte do atleta na maratona é a resistência em longas distâncias, sendo que a maratona é uma modalidade outdoor, ou seja, disputada do lado de fora dos estádios, enfrentando as intempéries, o que dificulta ainda mais cada jornada.
Com esta metáfora, entendemos que a jornada da vida também é longa, também é dura, também reserva intempéries, e só vence nesta maratona, quem resiste às lutas que surgem a cada novo passo desta jornada.
O grande problema é que não estamos preparados para resistir, não estamos capacitados para a maratona que nos está proposta, nosso fôlego espiritual é muito curto para as exigências que são feitas a nós.
O atleta de alto rendimento que almeja bons resultados em suas competições prepara-se durante um longo tempo, com exercícios específicos, com alimentação balanceada, com tempo de descanso apropriado para a sua recuperação.
 Assim como o atleta, nós, homens e mulheres espirituais, devemos estar preparados para a jornada da vida, preparados para as lutas, preparados para perseverar diante de todos os obstáculos que poderão surgir.
Assim como um atleta investe em uma preparação para as competições durante a temporada, assim também nós devemos investir na nossa preparação espiritual, exercitando nossa fé em Cristo, nos alimentando da Palavra de Deus, e descansando no SENHOR, para nos recuperarmos de todas as lutas.
Só assim poderemos resistir até o sangue, como diz Hb. 12.4, e darmos mais um passo rumo a uma vida vitoriosa e que agrada a Deus.
Para trilhar o caminho da vitória é preciso:
3º) FOCO PARA AVANÇAR.
“Conservemos os nossos olhos fixos em Jesus, pois é por meio dele que a nossa fé começa, e é ele quem a aperfeiçoa”. (v.2a – NVI)
Se tem uma atitude que tira qualquer um do caminho da vitória, ela é a perca do foco.
Pessoas que desviam sua atenção para situações periféricas, para acontecimentos menores, para ações que não mereceriam atenção, tendem a perder drasticamente a passada na maratona da vida.
Usando nossa metáfora do atleta, podemos observar que os corredores não tiram seus olhos do que está a sua frente, ou seja, eles focam seu alvo, miram seu objetivo e disparam para alcança-lo.
Pequenas olhadas ao redor, lá de vez em quando, são permitidas, sempre para se precaver contra eventuais tropeços, adversários, e situações que possam complicar sua jornada, mas assim que observa e toma conhecimento, ele volta a focar adiante, cuidando de alcançar o objetivo que está à frente.
Nós precisamos também manter nosso foco, que sabemos ser Jesus Cristo, nosso SENHOR.
Precisamos também focar em manifestar em nossas vidas o Fruto do Espírito, dando testemunho do grande amor de Deus.
Precisamos focar no amor dispensado aos irmãos, pois quem ama é nascido de Deus, mas quem não ama, não conhece a Deus (I Jo. 4. 7 e 8).
Ou seja, temos tantas questões espirituais para nos preocuparmos, para focarmos na nossa jornada de vida, que não deveria sobrar tempo ou atenção, para focarmos em outras situações desanimadoras nas nossas vidas.
Outra questão que podemos extrair do nosso texto, é que focados em Jesus, temos fé moldada e aperfeiçoada, fortalecida, servindo de alimento, de suplemento para nosso vigor espiritual, nos ajudando a vencer a maratona que enfrentamos no dia-a-dia.
Quando desviamos nossos olhos do SENHOR, nos deparamos com diversas situações, entre elas, algumas que nos trazem medo, desânimo, angustia, depressão, desesperança.
Por isso, mire sempre a Jesus, que é o autor e consumador da nossa fé. Foco sempre em Jesus!
CONCLUSÃO:
Desembaraço, perseverança e foco, passos para uma vida de sucesso e vitoriosa, pois proporcionará a você condições de se manter perto do SENHOR, longe dos desvios que conduzem ao fracasso, e no caminho que conduz a salvação.
Soli Deo Gloria.
Rev. José Ricardo Capelari

postheadericon Marcas da verdadeira adoração


PROPOSIÇÃO: Entender como se dá a verdadeira adoração a Deus!
TEXTO: Deuteronômio 26.
1 Ao entrares na terra que o Senhor, teu Deus, te dá por herança, ao possuí-la e nela habitares, 2 tomarás das primícias de todos os frutos do solo que recolheres da terra que te dá o Senhor, teu Deus, e as porás num cesto, e irás ao lugar que o Senhor, teu Deus, escolher para ali fazer habitar o seu nome. 3 Virás ao que, naqueles dias, for sacerdote e lhe dirás: Hoje, declaro ao Senhor, teu Deus, que entrei na terra que o Senhor, sob juramento, prometeu dar a nossos pais. 4 O sacerdote tomará o cesto da tua mão e o porá diante do altar do Senhor, teu Deus. 5 Então, testificarás perante o Senhor, teu Deus, e dirás: Arameu prestes a perecer foi meu pai, e desceu para o Egito, e ali viveu como estrangeiro com pouca gente; e ali veio a ser nação grande, forte e numerosa. 6 Mas os egípcios nos maltrataram, e afligiram, e nos impuseram dura servidão. 7 Clamamos ao Senhor, Deus de nossos pais; e o Senhor ouviu a nossa voz e atentou para a nossa angústia, para o nosso trabalho e para a nossa opressão; 8 e o Senhor nos tirou do Egito com poderosa mão, e com braço estendido, e com grande espanto, e com sinais, e com milagres; 9 e nos trouxe a este lugar e nos deu esta terra, terra que mana leite e mel. 10 Eis que, agora, trago as primícias dos frutos da terra que tu, ó Senhor, me deste. Então, as porás perante o Senhor, teu Deus, e te prostrarás perante ele. 11 Alegrar-te-ás por todo o bem que o Senhor, teu Deus, te tem dado a ti e a tua casa, tu, e o levita, e o estrangeiro que está no meio de ti. 12 Quando acabares de separar todos os dízimos da tua messe no ano terceiro, que é o dos dízimos, então, os darás ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que comam dentro das tuas cidades e se fartem. 13 Dirás perante o Senhor, teu Deus: Tirei de minha casa o que é consagrado e dei também ao levita, e ao estrangeiro, e ao órfão, e à viúva, segundo todos os teus mandamentos que me tens ordenado; nada transgredi dos teus mandamentos, nem deles me esqueci. 14 Dos dízimos não comi no meu luto e deles nada tirei estando imundo, nem deles dei para a casa de algum morto; obedeci à voz do Senhor, meu Deus; segundo tudo o que me ordenaste, tenho feito. 15 Olha desde a tua santa habitação, desde o céu, e abençoa o teu povo, a Israel, e a terra que nos deste, como juraste a nossos pais, terra que mana leite e mel. 16 Hoje, o Senhor, teu Deus, te manda cumprir estes estatutos e juízos; guarda-os, pois, e cumpre-os de todo o teu coração e de toda a tua alma. 17 Hoje, fizeste o Senhor declarar que te será por Deus, e que andarás nos seus caminhos, e guardarás os seus estatutos, e os seus mandamentos, e os seus juízos, e darás ouvidos à sua voz. 18 E o Senhor, hoje, te fez dizer que lhe serás por povo seu próprio, como te disse, e que guardarás todos os seus mandamentos.  19 Para, assim, te exaltar em louvor, renome e glória sobre todas as nações que fez e para que sejas povo santo ao Senhor, teu Deus, como tem dito.

INTRODUÇÃO:
O tema adoração tornou-se um assunto em moda no meio evangélico de duas décadas para cá. É tão comum, que passou a ser o tema mais usado e debatido nos congresso e seminários do mundo afora. Nessa via, o crente passou a preocupar-se com a forma usada para adorar a Deus, com os rituais necessários para agradar ao coração do Pai, com a forma correta de se expressar a adoração pura e verdadeira. Temos um texto conhecido no Evangelho de João 4. 24 que diz: “Deus é espírito; e importa que seus adoradores o adorem em espírito e em verdade”. Baseados neste texto, os crentes passaram a buscar uma forma correta de adoração, inventando muitas coisas, confundindo muitos corações, acertando em outro ponto, e em muitos casos, sentindo culpado por não conseguir atingir uma forma “correta” de adoração. Observando o texto de Deuteronômio 26, quando Deus dá orientações ao povo que estava entrando na terra prometida, podemos ver algumas características descritas pelo próprio Deus para que seu povo lhe agradasse. Podemos ver marcas necessárias para exercer nossa adoração. É sobre isso que iremos falar neste momento, sobre as MARCAS DA VERDADEIRA ADORAÇÃO, e veremos que:

Nossa adoração a Deus deve ter a marca da:
1º) GRATIDÃO.
"Eis que, agora, trago as primícias dos frutos da terra que tu, ó Senhor, me deste. Então, as porás perante o Senhor, teu Deus, e te prostrarás perante ele”. (v.10)
Se tem uma marca que Deus procura no verdadeiro adorador, essa marca é a da gratidão. Conhecemos a história do povo de Deus na peregrinação pelo deserto, antes de entrar em Canaã, e sabemos que por causa da murmuração, uma geração toda se perdeu, padecendo no deserto até a morte, por 40 anos (Dt. 1.34-40; Nm. 14.20-38). Ser grato é ser agradecido, ou seja, é reconhecer aquilo que é feito ao nosso favor, por nossas vidas, por aqueles a quem amamos. No nosso texto base, vemos a orientação de Deus para que Seu povo Lhe reconheça como provedor, com Aquele que cuida dos seus filhos, com amor, provisão e segurança. Esse reconhecimento deveria ser acompanhado de gratidão, de alegria por cada um desses fatos, desses feitos, para que todo o povo de Israel se sentisse assim, e para que os estrangeiros no meio de Israel pudessem entender e reconhecer quem é Deus. A gratidão revela também o que está dentro do nosso coração, mostra a nossa disposição e, manifesta o fruto do Espírito em nossas vidas. Uma característica interessante e que merece destaque nesta gratidão a Deus, é o ato de “prostrar-se”, em reconhecimento a soberania, ao amor divino que é manifestado ao nosso favor. Aqui, o adorador lembra da condição deplorável da qual Deus o libertou, a reação de Deus diante do pedido de socorro do seu povo, seu poder na libertação e as bênçãos que Ele concede.
Tudo isso estimula o adorador a agradecer, a reconhecer quem Deus é! Olhe para seu coração, para suas atitudes: você é grato? Você reconhece em suas atitudes o que Deus tem feito em sua vida? A gratidão é uma marca do verdadeiro adorador!
Nossa adoração a Deus deve ter a marca da:
2º) ALEGRIA.
“Alegrar-te-ás por todo o bem que o Senhor, teu Deus, te tem dado a ti e a tua casa, tu, e o levita, e o estrangeiro que está no meio de ti”. (V.11)
A alegria é outra marcar do adorador, marca presente na verdadeira adoração. Essa alegria não é vazia, não dura alguns dias, não se condiciona a coisas materiais, é uma alegria estampada na alma, no coração de quem é salvo por Jesus. No nosso texto básico, o SENHOR põe como ordenança que Seu povo expresse a alegria por tudo o que estava acontecendo no meio daquela nação. Deus estava agindo no meu do Seu povo, como agiu outrora no meio de Israel na saída do Egito, só que nesta ocasião, o povo mantinha-se triste, inexplicavelmente triste, e por isso Deus pesou Sua mão. Agora, para que a grandeza de Deus seja reconhecida no meio do Seu povo, Deus ordena que a alegria seja presente no meio deles, que eles mostrem para todos, inclusive os estrangeiros que ali estavam, que o povo de Deus O reconhece com alegria. Essa alegria servia de testemunho, de pregação aos não crentes, como bem nos mostra o salmista no Salmo 126. 2: “Então, a nossa boca se encheu de riso, e a nossa língua, de júbilo; então, entre as nações se dizia: Grandes coisas o Senhor tem feito por eles”. Quando as nações, quando os povos olhavam de fora para dentro de Israel, e via o povo alegre diante dos grande feito de Deus, estes estrangeiros temiam e tremiam por entender a grandeza do Deus daquele povo. Você tem expressado alegria verdadeira na sua vida? Você tem demonstrado aos outros que você é alegre por fazer parte do povo de Deus? Seu testemunho de alegria tem contagiado as pessoas que estão ao seu redor?
A alegria é uma marca da verdadeira adoração a Deus!
Nossa adoração a Deus deve ter a marca da:
3º) PRÁTICA, DO SERVIÇO AO PRÓXIMO.
“Quando acabares de separar todos os dízimos da tua messe no ano terceiro, que é o dos dízimos, então, os darás ao levita, ao estrangeiro, ao órfão e à viúva, para que comam dentro das tuas cidades e se fartem. 13 Dirás perante o Senhor, teu Deus: Tirei de minha casa o que é consagrado e dei também ao levita, e ao estrangeiro, e ao órfão, e à viúva, segundo todos os teus mandamentos que me tens ordenado; nada transgredi dos teus mandamentos, nem deles me esqueci”. (vv.12 e 13)
Nossa terceira marca hoje é a da adoração prática, do servir ao próximo. Como vimos, devemos adorar com gratidão e alegria, porém essas são atitudes pessoais, que estão ligadas a motivar, a estimular a nós mesmos e ao próximo. Porém, quando servimos ao próximo, quando estendemos nossas mãos, mostramos aos incrédulos e ao próprio Deus uma adoração que vai além, que entende e pratica os valores divinos. Deus, diante do clamor do seu povo, não ficou somente nas promessas, na retórica, no discurso, Ele se entregou em favor de Seu povo, Deus agiu, como dizemos por ai, “pôs a mão na massa”. Além disso, diante da morte espiritual dos Seus, Deus tomou a atitude mais distante do nosso normal, algo que muito nominam como loucura, Deus entregou Seu único filho, para morrer por nós, e nos limpar de nossos pecados. João 3. 16 diz: “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna”. Isso é agir, e isso é exigido de nós em Filipenses 2. 5 – 11. Devemos ter uma adoração prática, não podemos ficar somente no “Deus te abençoe”, enquanto a pessoa está com fome ou frio, enquanto a criança está na rua, enquanto o descrente está morrendo sem conhecer a Jesus. A adoração deve ser feito com a alma, alegremente, e de mãos cheias e estendidas. Você tem usado o que tem para adorar a Deus? Você é daqueles (as) que pensam ter pouco e por isso não ajudam ao próximo? Sua adoração está somente no campo das palavras, ou você pratica o que crê? A prática, a mãos estendida ao próximo e uma marca da adoração!
CONCLUSÃO:
Não esgotamos o assunto por aqui, mas vimos que temos formas práticas para adorar a Deus, sinais que servem para nos enriquecer e também, para testemunhar ao próximo. Adore com gratidão, alegria e prática, e assim alegre o coração de Deus!
Soli Deo Gloria.
Rev. José Ricardo Capelari
Ocorreu um erro neste gadget

Você é nosso visitante

Obrigado!

Seguidores

Voltemos ao Evangelho

Diga não a essa atrocidade!

Diga não a essa atrocidade!
Pedofilia é crime!

Afiliado a UBE



Sociedade Calvinista

Bases da Reforma

Bases da Reforma
Valores da liberdade protestante

Dicionário Hebraico

Tradutor Online
Desenvolvido por Alexandre Rossi. Tecnologia do Blogger.

Siga-me no Twitter

Siga-me no Twitter
twitter.com/_capelari

Vale a pena ler!

  • O Livro mais mal humorado da Bíblia - Ed René Kivitz
  • O discipulado dinâmico - Kuhne
  • Religião, uma bandeira do inferno - Glenio Paranaguá
  • Cruz Credo, o credo da cruz - Glenio Paranaguá
  • Ponha ordem em seu mundo interior - Gordon McDowell
  • Corra com os cavalos - Eugene Peterson
  • Pastoreando a Igreja - Joseph Stowell
  • Liderança em tempos de crise - Charles Swindoll
  • Bíblia Sagrada - Todas edições
  • Revista Ultimato

Click na imagem e ouça a rádio da Igreja Presbiteriana do Brasil

IPB - Rádio & TV

IPB - Rádio & TV
Todas as quartas-feiras pela RTV Canal 10 às 20:00hs para Maringá e região. Click e acesse o conteúdo on line

Conheça a PL 22

NÃO À PL 122